O Quarto!

Envie a um amigo! Envie a um amigo!      Imprimir Texto Imprimir Texto
Dê sua nota:
1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 voto(s), média: 5,00 de 5)

Após aquela noite ambos tinham uma certeza, a de que iriam se ver novamente, a de que os laços que foram criados estavam sendo fortalecidos e ambos queriam viver muitos outros momentos iguais aquele. Havia a certeza nos dois de que, o que estava sendo iniciado teria uma continuidade e, foi com esta certeza, que ela resolveu preparar o quarto para a sua chegada.

Pensou nos mínimos detalhes, em tudo o que poderia agradá-lo e como iria fazer para que isto acontecesse. Preparou todo o ambiente anterior ao quarto; deixou a mesa a postos para a sua chegada – pensou que ele estaria com fome após um dia inteiro de cansaço. Em seguida, preparou o banho relaxante, pois antes dele se alimentar queria que ele relaxasse com um bom banho quente, à base de sais.

O quarto seria o último cômodo da casa onde ele iria entrar e de lá não iria querer sair. Deixou pratos com petiscos diversificados para ele repor as energias, deixou os copos para a cerveja estrategicamente posicionado para que ao simples esticar dos braços ele pudesse alcançar. Montou velas aromatizantes dentro de taças de cristais para dar um ar mais sedutor ao ambiente, deixou sobre o criado mudo diversos acessórios para apimentar ainda mais a noite e, sobre a cama, espalhou pétalas de rosas aromatizadas.

Assim que ele chegou, ela o beijou com desejo e muita vontade. Um desejo que há dias ela nutria por ele e que vinha crescendo de forma arrebatadora, a ponto de deixá-la assustada, pois não recordava-se de ter vivenciado este desejo com nenhum outro homem. Após o banho, ela fez com que ele se alimentasse e foi para o quarto se prepar para ele. Queria fazer daquela noite inesquecível para ambos e não iria medir esforços para que isso acontecesse. Mas a fome dele era outra, após aquela noite dias haviam se passado e ele desejando estar novamente com aquela mulher. Desejava-a ardentemente, queria tê-la novamente em seus braços, queria sentir todo o calor que o corpo dela emanava. Ainda lembrava com nitidez de detalhes como havia sido maravilhosa aquela noite e o quanto ela despertou nele os mais ardentes desejos.

Ao entrar no quarto ela já o esperava. O quarto iluminado apenas pela luz das velas, a cama coberta de pétalas de rosas deixando o ambiente em um perfume inigualável das rosas somadas às velas; ela no centro da cama, vestindo uma camisola de seda tão suave que, a mesma, parecia flutuar sobre seu corpo. Ao ter aquela visão, ele ficou vislumbrado, se antes desejava incessantemente aquela mulher ali, com ela parada à sua frente, ele passou a desejá-la ainda mais; queria possuí-la por completa. Queria percorrer cada parte de seu corpo com beijos e carícias. E, ao beijá-la e sentir que a calcinha que ela colocou para ele era de uma finura delicada, porém extremamente sexy, seu tesão aumentou ainda mais. Beijava-a cada vez mais e com mais intensidade, acariciava seu corpo, apertava suas coxas, sua bunda e seus seios. Lentamente foi tirando a camisola; beijava seu pescoço, os ombros, os seios, sugando-os com vontade, passando a língua suavemente na ponta, sentindo o quanto eles estavam intumescidos. Deitou-a na cama e continuou sugando seus seios, alternando com beijos ardentes na boca. Beijava e mordia sua barriga, chegando às coxas e virilhas. Brincava de sentir o sabor daquela mulher extremamente sensual e que o deixava doido de prazer. Passava a língua em suas coxas e virilhas, até que começou a fazer-lhe um oral; alternava com lambidas e sugadas em sua vagina completamente encharcada, alisava-a e sentia que seu dedo escorregava suavemente. Saboreava-a com tanto desejo que só queria fazê-la gozar ali, com a sua língua percorrendo por toda a extensão daquela vagina completamente molhada de tesão e prazer. Ela se contorcia, pressionando o rosto dele contra sua vagina e segurando-o pelos cabelos.

Estava simplesmente entregue às sensações que aquele oral estava lhe proporcionando. Sentia que todo o seu corpo vibrava e arrepiava a cada passada de língua e a cada sugada em seu clítoris. Sabia que iria explodir em um gozo delicioso e com muito tesão. Queria que ele saboreasse o seu gozo, queria que ele visse o quanto a deixava excitada e com vontade dele. Queria que ele a possuísse por inteira, já estava completamente entregue a ele. Não pensava em nada mais a não ser satisfazer aquele homem que a deixava completamente louca de desejos; satisfazê-lo de todas as formas e maneiras. E, quando estava em pleno êxtase, explodiu em um delicioso orgasmo, com ele sugando sua vagina deliciosamente. Ele sentia em sua língua o sabor daquele orgasmo, saboreou insaciavelmente aquele gozo, aumentando ainda mais o seu desejo de possuí-la. Ele levantou-se e foi em direção aos seus lábios, beijando-a com ainda mais vontade e desejo. Ficaram ali, beijando-se por um certo tempo, até que ela o deitou na cama e, lentamente foi retribuindo os beijos e mordidas que ele havia dado a ela. Beijava e mordia seu pescoço, peito, barriga, coxas e virilhas. Suavemente sua boca engoliu o pênis dele, iniciando um sexo oral. Ela passava a língua por toda a extensão do seu membro rijo, latejando de desejo, de tesão; alternava entre lambidas e sugadas recheadas de desejos, massageava os testículos provocando nele sensações deliciosas. A cada sugada que ela dava em seu membro ele arrepiava-se e sentia o seu tesão aumentar ainda mais. Segurava o gozo para prolongar ainda mais aquela sensação deliciosa; segurava o cabelo dela para poder olhá-la nos olhos, e ela retribuía o olhar, provocando-o ainda mais, desejando-o ainda mais. Quando sentiu que não iria demorar muito para explodir em gozo, puxou-a para si e a apertou junto ao teu corpo. Beijava-lhe a boca e, ao mesmo tempo a penetrava bem devegar. Ao sentir ele a penetrando, ela se contorcia e o beijava com mais desejo e tesão. Ela sentou em seu colo, sentindo seu membro inteiramente dentro de si; e então começou a aumentar a intensidade dos movimentos. Sentia a cada movimento o quanto ele a desejava, o quanto era grande o tesão de um pelo outro. Ele sugava seus seios e apertava sua bunda, ela cavalgava em cima dele em movimentos suaves e intensos, levando-o a explodir em gozo. Ele contorcia-se de tanto prazer e desejo enquanto gozava, ela sorria satisfeita ao ver o quanto dava prazer a ele, o quanto ele sentia tesão por ela.

Ficaram ali, beijando-se e trocando carícias; ela podia sentir ainda dentro dela, o membro dele latejando de desejo e sabia que a noite estava apenas começando, que muita coisa ainda estava por vir, naquela e em muitas outras noites. Sabia que o desejava demais, que não queria que aquela fosse apenas mais uma noite, queria mais e queria ele. Ele, por sua vez, sabia que o seu desejo por ela só aumentava, não parava de desejar aquela mulher por um segundo sequer; e sabia que não iria se contentar apenas com aquela noite, desejava-a demais para permitir que fosse só aquela noite. Sabia que não iriam dormir tão cedo, que apenas inciaram o que viria a ser uma noite repleta de sexo, tesão, desejos e orgasmos mútuos.

Tags: , , , , , , , , , , , ,

Quem é o Rafhitch?

O Rafhitch é escorpianino, nascido e criado em Salvador-Ba, é uma pessoa fechada por ocasiões da vida, reservada (típico dos escorpianinos) e analítica por natureza, que adora estar em contato com os amigos e procura sempre preservar suas amizades. Uma pessoa difícil de entender, complicado às vezes, infantil sempre e brincalhão eternamente.

Subscribe to Comments RSS Feed in this post

One Response

  1. Nossa, parece que eu estive presente nesse local; a descrição foi perfeita! Me encheu de vontade de montar esse ambiente para a minha pessoa amada. Espero conseguir o êxito dessa crônica com toda essa intensidade!

O que você pensa sobre o assunto? Deixe sua opinião!

O seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

*
*