DESAPAIXONAR-SE

Envie a um amigo! Envie a um amigo!      Imprimir Texto Imprimir Texto
Dê sua nota:
1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 voto(s), média: 1,00 de 5)

Devido a um problema na nossa base de dados, estou tendo que escrever novamente o texto que foi enviado a mim pela minha amiga e colaboradora do AST Adriana.

Neste texto, ela aborda a problemática do amor não correspondido e como as pessoas fazem para se livrar (ou não) deste amor. Vale a pena dar uma conferida.

Desapaixonar-se

Pois é, quem de nós ainda não disse a famosa frase “eu preciso esquecer!” Desapaixonar, esquecer um amor que não deu certo ou platônico é de fato a primeira coisa a fazer para que a gente consiga colar nosso coração e partir para novas e quem sabe, melhores experiências. Porém, todo mundo sabe que não é nada fácil.

A pessoa apaixonada e não correspondida vive momentos de tormento, cheios de ansiedade e irritação. Para especialistas, tais sintomas são perfeitamente normais e dizem que apesar desse sofrimento, a vida acaba se reorganizando aos pouquinhos.

Acontece que a paixão como todo mundo também sabe, tem prazo de validade e pode durar de dois meses até dois anos, por isso, nada de desesperar porque provavelmente você irá se apaixonar novamente.

Se você chegou a este ponto em que desapaixonar-se é o seu objetivo, vão ai algumas sugestões para ajudar na sua árdua trajetória (apesar de saber que não existe receita infalível para a felicidade). Aliás, eu mesma vou tentar colocar em prática algumas destas dicas, já que há um tempo decretei Morte ao Cupido (esse serzinho incompetente a maior parte do tempo) por causa de um amor platônico. O psicólogo Ailton Amélio da Silva, da USP (Universidade de São Paulo) diz que para reparar a frustração causada pela rejeição do ser amado, o melhor a fazer é acabar logo com a paixão pela raiz e compara isto com uma dieta para emagrecer onde falar é fácil, difícil é fazer.

Os tristes apaixonados apresentam uma queda de 40% de serotonina, neurotransmissor ligado ao bem-estar, explica a professora Ana Luisa Vilela, especialista em ciências biológicas. Então a dica é, procurar encontrar na sua rotina esta poção mágica da alegria, tirar o foco do problema, e colocar em sua vida ações que liberem mais serotonina a exemplo de exercícios físicos como caminhadas, ingerir alimentos ricos em carboidratos, mas, cuidado com a balança.

A paixão também aumenta a nossa taxa de dopamina, neurotransmissor ligado à recompensa e ao prazer, por isso manere com a bendita Lei da Compensação, onde a tradicional barra de chocolate tem que substituir seu amor. (haja barrinhas!) Consuma alimentos menos calóricos, eles vão te saciar e deixar seu corpicho em forma pra uma nova conquista.

Tem outras dicas das minhas experiências e dos meus colegas que passaram por isto, como procurar sair com amigos, conversar sobre assuntos mais alegres com pessoas alegres, ir a lugares novos e conhecer pessoas diferentes, quem sabe você encontre lá sua cara metade?

Enfim, tente manter distância do que te faz lembrar o amor passado, dê um tempo pra você, afinal de contas, nada como o tempo e a distância pra curar dores da alma, e ninguém morre por causa de um amor, sofre muito, mas não morre. Então, bola pra frente por que a fila deve andar.

Quem é o Rafhitch?

O Rafhitch é escorpianino, nascido e criado em Salvador-Ba, é uma pessoa fechada por ocasiões da vida, reservada (típico dos escorpianinos) e analítica por natureza, que adora estar em contato com os amigos e procura sempre preservar suas amizades. Uma pessoa difícil de entender, complicado às vezes, infantil sempre e brincalhão eternamente.

Subscribe to Comments RSS Feed in this post

2 Responses

  1. Tá aí uma coisa que só o tempo cura. Claro, ficar em casa escutando música deprê sem tomar banho não ajuda nada.

    Como bem disse: bola pra frente!

    Abraços.

    Enfil

O que você pensa sobre o assunto? Deixe sua opinião!

O seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

*
*